estuprada ao dar a luz

O que os homens pensam sobre o estupro de ontem? Me refiro ao estupro de uma mulher na mesa de parto, durante uma césarea.

Acompanhem o cenário. Ela está sedada e o monstro coloca seu pênis na boca da parturiente. Enquanto o pai da criança acompanha o bebê, o monstro busca prazer naquela mulher vulnerável. Se movimenta “escondido”.

10 minutos de tortura. 10 minutos. Um pênis na boca de uma mulher inconsciente. 10 minutos. Ele goza. Passa uma gaze, e pronto.

É tanta barbaridade que fica ressoando aqui dentro. Gatilhos, memórias, e muito silêncio nessas redes, para além de nós mulheres.

Se não fosse aquelas enfermeiras… ele continuaria praticando crimes, como está provado, cometeu antes. E quantos continuam por aí praticando outros crimes?

E a equipe médica nunca desconfiou de parturientes sairem sedadas do parto? Nunca desconfiaram da movimentação desse homem, desse monstro que passou por 10 hospitais do Rio de Janeiro. 10!

E a golden hour, a amamentação no primeiro momento, a companhia permanente à mãe dentro do centro cirúrgico? Foram muitas as violências praticadas contra a mulher e o recém-nascido. Incontáveis.

Homens, parte da sua espécie está nos matando física e emocionalmente. Dia a dia. Em todo canto.

E Talita estava ali na cadeia

Sentada com sua havaiana, camiseta branca e calça cáqui contando-me sobre sua longa história. Uma história que cabe num filme de aventura ou drama, temperada pelo desejo de recuperar aquilo que foi um dia. Contada com um fôlego e uma rapidez que me faz pensar que seria difícil mentir tanto e tão rápido.

Enquanto eu a entrevistava, uma outra jovem se aproximou de nossa conversa. Era Milena, que também responde processo por tráfico e associação ao tráfico.

Mas eu ainda estava com Talita. “Fui presa dia 22 de novembro, o meu avô faleceu em acidente de carro e minha avó não respondia mais as minhas cartas, porque já era minha quinta cadeia. Ela cansou e eu entendo”.

Ela lembrou, que nas primeiras cadeias, a avó se dividia para garantir o jumbo dela e do irmão que cumpria pena em São Bernardo do Campo.

“Na minha primeira cadeia ela trazia jumbo pra mim. Na segunda, ela me visitou um ano e quatro meses na penitenciária do Estado, me mandava jumbo via sedex. Na terceira cadeia ela já baqueou, falou pra mim que infelizmente eu tinha que sofrer um pouco”.

– Você concorda com ela? – Perguntei.

– Concordo sim.

“É um trampo muito grande para a minha avó. Ela tinha as despesas da casa, eu presa e o meu irmão preso. Foi um ano e quatro meses assim. Tinha vezes que ela ia ver meu irmão no sábado e eu no domingo. Ela puxou cadeia junto comigo. Fiquei quatro meses na terceira vez. Saí e nem fui em casa, fui direto para a Cracolândia”, disse de cabeça baixa, com as mãos agitadas.

Um trecho de meu livro, O Peso do Jumbo. Neste dia estava com Luciney Martins responsável pelas fotos, a quem agradeço os registros e apoio, sempre.

Você encontra meus livros na loja virtual da @editorapaulus e nas boas livrarias.

#opesodojumbo#prisão#mulheres#karlamariajornalista

ética por um like

Durante a semana passada, a bem da verdade a todo momento, tenho pensando sobre como as mulheres, seus problemas e decisões são tratados de modo tão banalizado e criminalizado em nossa sociedade.

Escrevi um livro inteiro sobre isso, o Mulheres Extraordinárias, e sobre o modo como tais e tantos temas refletem a realidade de nosso país: uma realidade violenta, racista, misógina, cruel.

Tenho pensado também que o atraso da nossa representação feminina, negra e/ ou mais humana na Ciência, nas Religiões e nos poderes Legislativo, Judiciário e Executivo tem nos levado a processos penosos, dolorosos, hipócritas.

Não tenho razão em nada, só dor e coração, e este músculo tem sentido mais do que todos os demais de meu corpo a dor de tanta violência, sim, porque o exercício da alteridade é o primeiro exercício de humanidade e machuca.

E o faço. Sempre fiz, porque nós repórteres, somos ouvintes, testemunhas, e neste papel somos convocados à alteridade e a distinguir o que pode e o que não pode ser divulgado.

A foto é de uma ilustração de Rebeca Venturini, que abre o sexto capítulo do meu livro”Mulheres Extraordinárias”, publicado em 2017 pela Paulus Editora. @editorapaulus.

Compre meu livro nas melhores livrarias e/ou no site da Paulus.

Ética, humanidade, noção, responsabilidade… Nem precisa estudar para saber, mas passamos por semestres de ética na faculdade… Estudar humanamente é preciso!

A falta disso, de ética profissional de uns tantos por aí, escancara violências e dilaceram ainda mais uma ferida que nunca cicatriza.

Fazer o outro sofrer ainda mais, sangrar, não é saída possível para os que creem e defendem o amor, a vida, a democracia (como dizem). Não é.

A lógica do vale tudo por likes precisa acabar, e isso passa por quem consome e alimenta essa máquina de fazer sofrer. Estou falando de quem curte e compartilha informações privadas como se fosse receita de bolo.

A ética é o antídoto para evitar tamanha devastação na vida de vítimas de violência. A ética deveria evitar também julgamentos morais desconectados com a realidade de cada um e cada uma.

Por uma semana mais humana.

De paz. ❤️

Café e bate-papo em Campinas

No dia 2 de julho estarei na Livraria da Paulus de Campinas, no centro, para falar de literatura e da vida, a partir das minhas obras, bora conversar?

A voz da mulher, das invisíveis da sociedade, das mais pobres, negras e com pouca escolaridade foi silenciada ao longo da história e suas narrativas de vida apagadas sistematicamente. E é a partir desse cenário, fomentado por um país cujo tecido social está esgarçado, que te convido para um bate-papo no próximo dia 2 de julho na Livraria da Paulus de Campinas.

Vamos refletir sobre a presença dos livros, das obras de não-ficção na defesa dos Direitos Humanos no Brasil governado por Jair Bolsonaro? Quero provocar à reflexão sobre como os livros e seus temas podem ser instrumentos de informação e sensibilização de agentes de pastoral, de movimentos sociais, batizados, gente de nossas comunidades para o exercício do compromisso de defender a dignidade da pessoa humana, esteja ela onde estiver.

Através dos livros escritos pela autora Karla Maria, que atravessam a vida das mulheres, o sistema carcerário, a fé do povo, a devoção a Santa Dulce dos Pobres, é que vamos buscar refletir sobre a ação pastoral de cada um e cada uma frente às tantas e difíceis realidades que atravessamos, bem como aquelas que veremos nas páginas dos livros.

Paulus Campinas

Que tal? Bora tomar um café juntos?

Serviço:
Evento:
 Café e debate com a autora Karla Maria
Data: 02 de julho, sábado, das 9h às 12h
Local: PAULUS Livraria de Campinas (SP)
Endereço: Rua Barão de Jaguara, 1163, Centro, Campinas (SP)
Inscrição: R$ 20,00 (incluso 1 exemplar do livro “Mulheres extraordinárias”
Para mais Informações: Tel.: (19) 3231.5866 | Whats.: (19) 98293.0004
campinas@paulus.com.br

política pra quê?

Em 2014 eu escrevia para esta revista, a Super +, uma publicação voltada para o público infantil e infanto-juvenil. Era delicioso e desafiador. Informar para transformar sem subestimar a capacidade daquele meu público de idade tão tenra.

Entre os textos e entrevistas mais difíceis e fofas que escrevi, destaco essas páginas aqui sobre política… passados 8 anos entendo que é urgente que os adultos entendam o que é a política em nosso país, entendam seus processos que buscam representatividade, participação, transparência.

Política não é apenas esse partidarismo chulo como proferido pela maior autoridade do país. Fazer você pensar assim é o modo como os maus políticos buscam para te afastar dos processos decisórios de nossa nação.

Esteja aberto, aberta para as boas práticas da política através do diálogo, do encontro. Aprenda, ouça, leia, compartilhe, encante com sua própria vida e existência e verá o quanto de político existe em você e em seu entorno…

Compreenda as coisas pelo que elas são e não pelo que querem que acredite.

Comece entendendo o que é a política… as crianças começaram lá atrás… 😉

diálogo atualizado

– Karla, você não colabora mais com a Agência de Notícias Signis?

– Não. A experiência foi muito positiva, mas acabou, e, nela conheci colegas que quero levar para a vida toda.

– Mas você voltará?

– Não sei, quem sabe… Está sentindo falta? Que bom! Saiba, que tudo o que apurei e escrevi permanece à disposição lá no site da Agência. Acesse, leia, comente e compartilhe 😉.

Aproveito e compartilho aqui, meu primeiro trabalho para a Agência, uma entrevista com Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães. Ao realizá-la, eu chorei, e sorri, e vibrei. Estávamos na pandemia e as reflexões foram muito necessárias e provocadoras.

Entrevista realizada em 11 de junho de 2021, eu em Guarulhos (SP), e dom Mol em Belo Horizonte (MG)

Confira aqui um tantinho do que foi nossa conversa…

Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães é mineiro de Ponte Nova, na Zona da Mata. Filho do senhor José e da dona Edna, foi ordenado bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG) em 2006 e, entre tantas de suas funções, preside a Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) desde 2019.

A vocação para a educação aparece antes mesmo de uma consulta a seu currículo salesiano. Durante a entrevista feita a distância, separados por uma pandemia, quilômetros e uma tela de computador, o bispo ensinou, ponderou, denunciou, animou, profetizou.

Como bom mineiro, falou manso, mas não deixou de responder nenhum tema sensível à sociedade brasileira, ao povo católico. Com os pés na realidade que nos atravessa, manifestou-se com energia contra as desigualdades sociais, a apropriação de discursos religiosos e fundamentalismos, mas não só. Acompanhe a entrevista e descubra mais sobre o que pensa e como orienta dom Joaquim Mol sobre o Brasil e a Igreja Católica de 2021.

Dom Mol, estudos apontam a dificuldade do brasileiro em distinguir fato de opinião, comprovação científica de “achismos”, o que nos leva à banalização, relativização da verdade e até do cuidado com a vida. Os impactos parecem, até o momento, irreversíveis. Essa realidade tem atacado também a ação da Igreja Católica no Brasil? De que modo?

Sim, tem também impactado a ação da Igreja no Brasil sem dúvida nenhuma. Primeiro, porque o fato de muitas pessoas não distinguirem a notícia verdadeira da mentira faz com que elas acolham qualquer notícia que é dada como se fosse a verdade e escolham o que confirmam seu pensamento […]

Tudo isso impacta porque muitas pessoas terão uma visão equivocada da realidade. Por exemplo, essa questão da pandemia que a gente está vivendo hoje. Há muitas pessoas que têm uma visão que não corresponde à realidade: tem gente que passa a acreditar em terra plana. O ambiente dessa dificuldade de não distinguir o fato da opinião, sem uma comprovação científica e se deixar levar por muitos achismos, está muito relacionado à polarização e à intolerância e essa dificuldade de fato impacta na ação da Igreja.

A negação da ciência no país parece ser maior que em outros lugares. É um profundo empobrecimento e isso faz com que o país caminhe para trás, e isso não é bom. Nós estamos vivendo um momento de desinstitucionalização por causa dos achismos. É como se a gente mirasse para derrubar a ciência, as igrejas, o STF [Supremo Tribunal Federal]. Se eu não estou satisfeito com o STF, vamos fazer um trabalho para melhorar os juízes que lá estão.

Leia a entrevista na íntegra, no site da Agência:
https://www.agenciasignis.org.br/noticias/entrevista/2021/07/consciencia-critica?fbclid=IwAR033yPJ03U5fE7vViv7xCpZ4u2iElUWweRJE7v_LRxYKZLk0sKX-V2NXlA


Março está especial, vem conferir

Vanuza Kaimbé é natural da Terra Indígena Massacará, no município de Euclides da Cunha, localizado no sertão baiano, entre o rio Itapicuru e a nascente Vaza Barris. Hoje, aos 52 anos, ela vive com seu filho Felipe, de 26, na Aldeia Filhos dessa Terra, em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo.

Live de 2 de março no facebook da Agência de Notícias SIGNIS

É assistente social formada pela Pontifícia Universidade de São Paulo (PUC-SP) por meio do Projeto Pindorama, uma iniciativa da Pastoral Indigenista que luta pela inclusão dos povos indígenas na sociedade.

Conversar com uma mulher indígena, uma liderança de seu povo, é ter contato com uma história de resistência e de bem-viver. E você poderá constatar isso no bate-papo que tivemos com Vanuza no dia 2 de março, no Facebook da Agência de Notícias SIGNIS, a primeira da série de lives que estou realizando com a colega Cléo Nascimento toda quarta-feira deste mês, março, às 20h.

Em nosso primeiro encontro, a assistente social desmistificou alguns dos preconceitos e ignorâncias muito presentes na sociedade brasileira no que diz respeito aos povos indígenas e revelou como se organizam para manter e resguardar a saúde, a diversidade cultural dos povos e sua própria existência.

Como dito, ela é uma kaimbé, de um povo que no século 17 foi explorado como mão de obra semiescrava por um longo período, e é ali da Aldeia Filhos dessa Terra, ao lado de parentes de oitos povos indígenas, que Vanuza usa sua voz para impedir que mais exploração e o apagamento de suas culturas e memórias sejam efetivadas.

Confira aqui como foi: https://www.facebook.com/agenciasignis/videos/640739130541546 

E hoje, daqui a pouco, estaremos com a promotora Maria do Amparo Sousa Paz, promotora de Justiça e Coordenadora do Núcleo das Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (NUPEVI) do Ministério Público do Piauí.

Eu já a entrevistei anteriormente, quando escrevi uma de minhas reportagens sobre violência doméstica. Depois, registrei nossa conversa no meu livro Mulheres Extraordinárias e para a minha alegria e privilégio de todos e todas nós, hoje ela estará conosco.

Venha, participe. É daqui a pouco, às 20h.

Conheça esta Maria antes de 2022

Nestes dias em que o calendário parece perder um pouco o sentido e a ordem, as gavetas, os armários e projetos são revisitados, não é verdade? Aproveitando este aparente lapso temporal, te convido a ler meu último trabalho publicado: uma conversa que tive com Maria Fonseca, artista sacra cearense que segue de mala e pincéis pelo país pintando belezas em espaços sagrados. A reportagem escrita em estilo perfil está aqui no site da Agência de Notícias Signis.

Confira um trechinho…

A rotina do seu trabalho inclui um café da manhã que pode ser na casa paroquial, de alguém da comunidade ou em um hotel de alguma cidade deste imenso país, o que determina também seu cardápio: ovos, inhame, pãozinho na chapa, pão de queijo, açaí, um peixinho, tudo varia e acompanha o sabor e o sotaque local.

Após um trajeto feito a pé, carro ou barco, Maria chega à igreja. Diante da “tela” em branco, que pode variar de tamanho, traça o sinal da cruz, sobe os andaimes e, acompanhada por pincéis, tintas e seu celular, inicia seus desenhos. Antes, contudo, aciona a playlist de músicas que a inspiram na arte de dar concretude ao mistério do encontro com o próprio Deus. Celina Borges e Ziza Fernandes são alguns dos nomes que a acompanham em sua atividade.

“Eu entrego meu trabalho a Deus. Aí eu coloco uma música católica que tenha a ver com o que eu estou produzindo. Coloco uma música para que eu chame o Espírito Santo. Não é só a emoção, às vezes eu intercalo com áudios de passagens da Bíblia pra ouvir a passagem bíblica daquilo que eu vou criar. Eu tenho várias Bíblias de estudo e com várias traduções, e isso ajuda também a atentar aos detalhes”, reflete.

Paróquia quilombola, uma reparação?

A valorização do povo preto dentro da Igreja Católica, algo que décadas atrás era impensável dada a sociedade e suas leis descaradamente racistas, parece responder ainda que oficiosamente a uma provocação do papa Francisco, que neste período reconvida a Igreja a ser sinodal.

Eu gostei demais de conhecer e contar a história da paróquia quilombola São Roque, lá de Feira de Santana (BA). A reportagem está no site da Agência Signis de Notícias. Forjada na triste história de nosso país, ela denuncia um tempo que precisa ser superado e anuncia com esperança a resistência do povo preto do Brasil.

Para a reportagem, além de algumas dissertações de mestrado e declarações oficiais da Arquidiocese de Feira de Santana, conversei com claro com quem faz parte da comunidade quilombola. Uma baiana e um queniano: a mestra em educação Francisca das Virgens Fonseca e com o diácono Ibrahim Muinde.

Registro do nosso bate-papo via zoom em tempos pandêmicos

Leia e me conte o que achou!

Na escuta e na denúncia, sempre

Ainda de ressaca emocional compartilho com vocês a notícia de que venci o Prêmio Dom Helder Câmara de Imprensa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. E o recebi porque escrevi uma série de reportagens para o Jornal O Trecheiro sobre os desafios diários e torturantes que a população em situação de rua sofreu e sofre nas cidades. A série se concentrou entre os meses de julho de 2020 a janeiro de 2021, durante a pandemia de Covid-19.

Compartilho a série de reportagens com vocês, e convido-os a continuarem seguindo o trabalho do jornal que há mais de 30 anos denuncia a ausência de políticas públicas de moradia, trabalho e ressocialização.

Foto do Luciney Martins

Conheça todos os vencedores da 53ª edição dos Prêmios de Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e observe a qualidade e o compromisso destes meus colegas em denunciar, nos mais diferentes formatos, os erros pelos quais passamos e apontar saídas pautadas na dignidade da pessoa humana.

Foi bonito. Sigo com meu terceiro Prêmio Dom Helder Câmara de Imprensa e com muita honra.

Confira entrevista que concedi ao colega e editor Luís Marques da Agência Signis de Notícias. É lá, que atualmente tenho espaço para minhas reportagens.