Passado o frio continua o caos…

Naqueles dias frios, bem frios, me juntei ao Luciney Martins e à Pastoral do Povo da Rua da Arquidiocese de São Paulo para colher testemunhos, conversar e conviver com a população que está em situação de rua. O resultado está na reportagem publicada pela Agência Signis de notícias. As fotos abaixo são do amigo Luciney Martins.

As canelas finas de Teresa tremiam. Nem a bermuda jeans e as meias grossas que recebera de doação na noite passada conseguiam lhe aquecer de modo efetivo. Aliás, quando nos encontramos em frente à estonteante Sala São Paulo, na região central da capital paulista, ela estava arrancando as meias que grudavam em seus pés castigados por bolhas. Era 30 de julho, a madrugada mais fria desde 2004, com termômetros registrando 3°C.

Teresa, que prefere ser chamada de Paulinha e só, não revela a idade, mas já passou dos 60. Seus cabelos curtos e grisalhos e o corpo franzinho e levemente curvado denunciam o peso do tempo. Ela vive em constante caminhada nas ruas de São Paulo atrás de comida, água, cobertor, gorrinho, qualquer coisa que possa protegê-la do inferno que vive.

Ela é mais uma sobrevivente nas ruas de São Paulo e neste inverno de 2021 tem encontrado na caridade de anônimos algum amparo para manter seu corpo aquecido, vivo. Naquela madrugada ela recebeu um gorrinho e cobertor de agentes da Pastoral do Povo da Rua, da Arquidiocese de São Paulo. Mas eu vi que não foi só isso…

Confira a reportagem na íntegra, no site da Agência Signis de Notícias.

à frente do seu tempo

Santa Dulce era uma mulher muito à frente de seu tempo. Nestes dias em que concedo muitas entrevistas sobre ela, em decorrência de sua Festa litúrgica no dia 13 de agosto, tenho refletido e reafirmado isso. O episódio a seguir demonstra que ela, imbuída por sua missão, não se deixa levar pelas avaliações inapropriadas da autoridade, do bispo, a quem também devia obediência. Quem duvida? Confira aqui.

Quer ler meu livro “Irmã Dulce, a santa brasileira que fez dos Pobres sua vida”? Acesse o site da minha casa editorial, a Paulus.

Você não vai se arrepender.

A vida no convento…

Seguimos compartilhando detalhes da vida da santa Dulce em leitura conjunta de meu livro Irmã Dulce, a santa brasileira que fez dos Pobres sua vida”, (Paulus Editora). Hoje trago a vocês os tempos de convento de Maria Rita que passou pouco mais de um ano no Convento em São Cristóvão (SE).

Lá recebeu o nome de Dulce, em homenagem à mãe, foi separada de sua boneca Celica e escreveu cartas sobre aqueles tempos e suas “tardes de domingo”…

Venha saber mais. Leia comigo mais um trecho de meu livro.

Você encontra meus livros nas livrarias e site www.paulus.com.br.

Se gostou curta e compartilhe esse vídeo.

Hora do livro com Santa Dulce

A partir de hoje, segunda-feira, até sexta-feira, 13 de agosto, vamos ler juntos trechos de meu livro “Irmã Dulce, a santa brasileira que fez dos Pobres sua vida” (Paulus Editora). Dia 13 celebramos a Festa Litúrgica de Santa Dulce.

Serão trechinhos curtos para você conhecer mais a vida desta santa baiana e quem sabe começar a seguir seus gestos. Não precisa ser católica/ católico para admirar essa mulher não… vem conferir e quem sabe, ler comigo.

Você compra este livro nas livrarias e site da Paulus Editora.

Obrigada, Silvia

Fui vacinada pela Silvia, agorinha, na UBS Vila Galvão, em Guarulhos. Esta é a segunda vez que me sinto salva pelo SUS. Antes foi uma neoplasia diagnosticada em uma UBS lá em Pirituba, SP. Agora, aqui contra a covid-19.

A Silvia representa grande parte da população brasileira, uma mulher negra. Profissional, ela estava toda coberta, protegida, mas enxerguei seu sorriso, senti sua gentileza, seu cuidado. Quis muito abraçá-la, mas não ousei…

Tenho seu nome registrado em minha história, ela me deu uma dose de saúde, de prevenção, de responsabilidade e carinho sim. Agradeci muito pela dose que tinha lá, não me importava qual, nunca importou, já que desde criança preencho minha carteira de vacinação assim.

Agradeci muito pela existência do SUS neste país tão desigual e miserável para tantos. Nele, como em quase nenhum outro setor, nós humanos que vivemos neste país somos todos iguais.

Tenho 37 anos e volto para a segunda dose em outubro.

#VivaoSUS #apesardevocê #Vacinajá #ubsvilagalvão #Guarulhos

Bolsonaro, um aliado da covid-19

Está no ar, mais um podcast do Ká entre Nós!

Neste episódio, Karla Maria fala da ameaça que os brasileiros têm à frente, a de enfrentar o vírus da Covid-19 que já matou mais de 500 mil pessoas, e a de conviver sob um governo que mais parece aliado do vírus do que de seu povo. Fala das novas decisões do STF, de pesquisas eleitorais e de um jeito diferente de celebrar São João e a cultura nordestina. Karla também fala de solidariedade através dos agentes da Pastoral da Saúde e de uma iniciativa em Guarulhos que arrecada absorventes para mulheres em situação de rua. Se liga neste episódio e bora olhar para a semana de uma modo mais crítico e sem fakenews.

Podcast no ar também no Spotify

Chegamos ao quinto episódio do podcast Ká entre Nós, e com uma notícia boa! Estamos também no Spotify. Siga-nos por lá… Neste episódio, faço uma análise da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 e sobre o combate à doença no país.

Fã de futebol que sou, falo também sobre a realização da Copa América no Brasil e da bola fora do Exército brasileiro em aliviar a barra do ex-ministro Eduardo Pazuello, mas há notícias bacanas também como a vacinação de grávidas e puérperas no Estado de SP, as oportunidades para artistas no setor cultural, além de dicas de leitura.

Ouça o podcast e diga o que achou. Vamos juntos espalhar notícia verdadeira e checada. O Brasil e nós merecemos. Até mais!

133 anos da abolição da escravatura e CPI da Covid-19

Está no ar o segundo episódio do Ká entre Nós, agora em podcast

A semana passou que nem vimos. Rápido demais pra um tempo que parece não ter fim. Continuamos contabilizando mortes em decorrência da Covid-19. Até aqui são mais de 430 mil mortes. Imaginem… E nossas armas contra esse vírus continuam fragilizadas e ameaçadas. Os cuidados pessoais como uso de máscaras e distanciamento social são diariamente banalizados pelo líder da nação que já está em campanha para sua reeleição.

Uma campanha de morte, uma estratégia para desviar a atenção da sociedade sobre os encaminhamentos e depoimentos recolhidos pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19. É sobre isso que falo em meu segundo episódio Ká entre Nós agora em podcast, mas não só. Chamo a atenção para os 133 da abolição da escravatura em nosso país e sobre os impactos culturais que a escravidão, um sistema econômico adotado pela Estado brasileiro, causaram e provocaram em nossa sociedade tão, tão racista culturalmente.

As heranças da escravidão continuam flagelando so corpos pretos. Basta abrir os olhos para enxergar. Falo mais sobre isso no podcast.

Conta Comigo

Começo a semana compartilhando com você minha participação no programa Conta Comigo da Rede Vida. Conversei com Dalcides sobre meu livro “O Peso do Jumbo, histórias de uma repórter de dentro e fora do cárcere” (Paulus Editora), e me alegrei pela abordagem com que meu colega conduziu a entrevista. De um modo humano e que certamente provocou seus telespectadores.

Assista, compartilhe, compre o livro... Amplie seu olhar sobre o sistema carcerário, sobre políticas de combate às drogas, posse de armas, segurança pública, maternidade, esperança… Sim, uma entrevista bonita e complexa, assim como este livro e tema que te apresento.

Comente aqui o que achou da entrevista.